Surf nas olimpíadas de Tóquio em 2020

Surf nas olimpíadas de Tóquio em 2020. Agora, o surf é esporte olímpico.

O Comitê Olímpico Internacional (COI) definiu por unanimidade que os Jogos Olímpicos de Tóquio, que serão realizados em 2020, terão cinco novos esportes. A partir da próxima Olimpíada, beisebol, junto com o softbol, versão feminina do esporte, surfe, skate, caratê e a escalada estarão dentro da competição.

Local: praia de Shidashita, em Chiba

Em 2018, a International Surfing Association (ISA) anunciou que o surf nos Jogos Olímpicos de Verão de 2020 aconteceria no oceano, e não em uma piscina artificial de ondas. O local do concurso para os Jogos de 2020 foi anunciado como Praia Shidashita, ou “Shida”, localizada a cerca de 64 km de Tóquio, em Chiba . Para garantir a qualidade do campeonato, o concurso terá um período de espera de 16 dias. Depois que o evento ocorrer, serão necessários dois dias para terminar a competição.

Praia de Shidashita, em Chiba. Foto Pedro Gomes.

Opinião de Carlos Burle

“Acho muito positiva essa decisão. Tenho certeza de que será muito bom para o esporte, nosso caminho é o profissionalismo. Qualquer esporte quer ser reconhecido pelo Comitê Olímpico e fazer parte das Olimpíadas. Vejo com bons olhos essa decisão de incluir o surf assim como o skate também, dois esportes que são jovens e têm grande influência junto à novas gerações. Podendo fazer uma grande transformação social também, além do show que o esporte proporciona, performance, bem diferenciado dos esportes atuais,” conta Carlos Burle.

“Com relação à Chiba, entendo cada vez mais a proposta e a relação que a ISA (International Surf Association) está tendo com o Comitê Olímpico Internacional. A intenção é que o surf não vise apenas performance, mas traga seu estilo de vida para a cena Olímpica. A decisão de não fazer em uma piscina tem a ver com o legado deixado. As piscinas ainda são muito recentes e a gente não sabe ainda se vai dar certo, o investimento é alto e cada vez mais as pessoas estão preocupadas com isso.”

“A gente não quer mais conquistar, agora a gente quer conquistar e ter um motivo que não seja só individual, e sim uma conquista que seja social, global. O surf entra com arte, música, culinária, estilo de vida, yoga, meditação, relação com a natureza e sustentabilidade. Isso é excelente, porque a gente sai da cena de ser considerado apenas como esporte e entra como estilo de vida; a preocupação vai além da medalha.”

“A praia de Chiba é uma onda que normalmente tem características parecidas com as ondas que os brasileiros estão acostumados, então, vejo com bons olhos. Estou achando excelente esse momento, estou muito feliz,” finalizou o big rider.

Brasil já tem classificados

Gabriel Medina e Ítalo Ferreira se classificam para Tóquio 2020

Os surfistas brasileiros Gabriel Medina e Ítalo Ferreira garantiram vaga e representarão o surf do Brasil nas Olimpíadas de Tóquio  em 2020, durante a terceira fase da última etapa do circuito mundial de surfe, em Pipeline, no Havaí.

Surf nas olimpíadas de TóquioÍtalo Ferreira, presença garantida nas Olimpíadas. Foto Kelly Cestari- Agência Brasil.

Os dois lideram o ranking mundial e disputavam com outro brasileiro, Filipe Toledo, quarto no ranking, as vagas olímpicas, já que o Brasil só pode classificar, no máximo, dois atletas homens.


Foto da capa Kelly Cestari- Agência Brasil
Fonte da opinião de Carlos Burle: Hardcore


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *